O testamento do meu cão...  

Posted by: Rose Porciuncula in


Minhas posses materiais são poucas e eu deixo tudo pra você...

Uma coleira marcada numa das extremidades, pois só colocava para sair, então ficava dando sopa e eu roia pra implicar com você.

Uma guia da qual eu amava ver, pois sabia que iríamos passear.

Uma desajeitada cama de cachorro, uma vasilha de água, que se encontra rachada na borda e um pote enorme de ração esse não consegui roer.

Deixo pra você a metade de uma bola de borracha, uma freesbee quebrado, um boneco de pelúcia que você vai encontrar atrás do sofá da sala, um brinquedinho de borracha sem apito é claro que está atrás da geladeira e uma porção de ossos enterrados no pelo sitio inteiro, muitos buracos nos canteiros e uma casinha com o assoalho novinho que nunca usei.... Preferia ficar perto de você.

Além disso, eu deixo pra você as memórias que, aliás, são muitas...

Deixo a memória do dia que cai na cachoeira em Bonito e você quase morreu do coração, mas sai nadando como se tivesse nascido dentro da água. Meu pai me resgatou, mas nem precisava.

Deixo pra você a memória de dois meigos e enormes olhos cor de mel, de uma cauda possante e desajeita, com essa fazia estragos por onde passava, de um focinho molhado e de uma choradeira atrás da porta quando você me esquecia fora, carinha de emburrado quando não conseguia o que queria...

Deixo meus pontos estratégicos onde eu gostava de ficar...
Deixo pra você uma mancha no tapete da sala de estar, junto à janela, quando nas tarde de inverno eu me apropriava daquele lugar, como se fosse meu, e me enrolava feito uma bolinha pra pegar um pouco de sol...

Deixo pra você um tapete esfarrapado em frente de sua cadeira favorita, o qual nunca foi consertado com o tipo de linha certo... isto é verdade!
Eu o mastiguei todinho quando tinha poucos meses de idade, lembra?

Deixo também, só pra você, o barulho que eu fazia ao sair correndo sobre as folhas de outono, quando passeávamos pelo campo.

Deixo a minha lembrança em cada arvore que me escondi para pegar vocês.
Sim eu acreditava que conseguia me esconder atras de qualquer graveto.

Deixo a lembrança dos meu pulinhos pedindo para correr comigo...


Deixo, ainda, a lembrança de momentos pelas manhãs, quando saíamos juntos, pela beira da praia, onde eu mergulhava para buscar a bolinha e você me dava aqueles biscoitos deliciosos...

Recordo-me de suas risadas porque eu não consegui alcançar aquele pássaro impertinente!

Deixo-lhe como herança minha devoção, a minha simpatia, meu apoio quando as coisas não iam bem, meus latidos quando você levantava a voz aborrecida... e a minha frustração por você ter ralhado comigo.

Deixo a lembrança de quando salvei a sua vida mostrando onde estava escondida uma Jararacuçu que possivelmente iria te picar. Enquanto vocês não se livraram dela eu não sosseguei.

Deixo o sentimento da minha presença para sempre no bau central que era meu e fim de papo...

Deixo marcado meu lugar na caminhonete eu precisava ir no meio sempre olhando tudo, e quando você gritava olha a vaca voando eu acreditava e olhava para o céu.
Eu realmente entendi você e sempre que você olhar para o céu vai lembrar da nossa brincadeira.

Deixo minha imagem na tua lembrança, correndo, brincando, te esperando, fazendo festa e te compreendendo...

Deixo também a lembrança de como eu era o pai de todos... sempre pronto para proteger e amar aos meus irmãozinhos.

Eu nunca tive uma religião a minha religião era amar você...
Eu nunca consegui dizer o que eu pensava..
E no entanto, mesmo sem haver falado sequer uma palavra, em toda a minha vida,deixo pra você o meu exemplo de amor, paciência e compreensão.

E deixo a lembrança de sua vida que foi muito mais alegre, porque eu estive a seu lado!

Vou te amar para todo o sempre.

BushDan Laden

This entry was posted on quinta-feira, março 05, 2009 and is filed under . You can leave a response and follow any responses to this entry through the Assinar: Postar comentários (Atom) .

0 comentários

Postar um comentário